Posse Responsável

Compartilhar sua vida com um cãozinho de estimação é uma das experiências mais gratificantes que existem, desde que em sua residência todos gostem de animais, é claro!

O amor incondicional que recebemos nos preenche de auto estima e de saúde.

A POSSE RESPONSÁVEL deve tanto ser observada por criadores como por aqueles que pretendem adquirir um cãozinho.

Existem várias pessoas que se dizem criadores mas que muitas vezes deixam a desejar, são oportunistas que se valem da carência, dependência e docilidade dos animais, para ganharem a vida. Quem assim age trata inadequadamente de seus cãezinhos, vendo-os apenas como fonte de lucro. As "Matrizes" vivem perpetuamente em gaiolas e em estado constante de prenhez ou de amamentação e nunca recebem afeto. Estas infelizes fêmeas muitas vezes são ABANDONADAS quando seu corpo já não serve mais aos propósitos de seus "donos comerciantes" que tem o desplante de se intitularem criadores. Quanto aos filhotes, já ouvimos falar de criadores renomados de YORKSHIRE que os alimentam através de sonda, para que permaneçam pequenos, já que mal alimentados não adquirem peso e assim "miniaturizam" o pobre e faminto animalzinho

Do ponto de vista daquele que pretende adquirir um cãozinho, há necessidade que considere que ele deve durar de 10 a 15 anos; com boa dose de paciência deve ser ensinado a fazer nos lugares adequados suas necessidades fisiológicas. Precisa de higiene, alimentação, carinho, afeto, vacinas, gastos veterinários, enfim dará gastos financeiros.

Deve-se observar ainda que não se deve    dar um cãozinho de presente, sem antes consultar       a pessoa a quem o presente se destina.

Tudo o que foi considerado implica em responsabilidades prolongadas e gastos financeiros.

Quando um animalzinho não se sente amado, ou seja, quando suas necessidades básicas não são satisfeitas, apresenta problemas de comportamento que podem se manifestar através do medo, dificuldade de aprendizagem (ex: cãozinho faz xixi em lugar inadequado), desânimo, impaciência, temperamento dominador, agressividade, etc. O pobre animal sofre e nem sempre o resgate do equilíbrio se torna possível, mesmo que colocado em outro lar onde seja amado e tenha um tratamento digno.

Portanto, a POSSE RESPONSÁVEL deve ser criteriosamente observada por aquele que pretenda adquirir um cãozinho para que o mesmo não seja abandonado a própria sorte.

Mas de qualquer modo, admitindo que você ainda que tenha a POSSE RESPONSÁVEL de um animalzinho, por um motivo relevante não possa continuar com ele, aconselho-o a procurar pelo criador deste animal para que juntos consigam colocá-lo num lar onde possa ser feliz e onde trará alegria a quem lhe dará afeto.

E por falar em abandono, cabe salientar que certa feita estava eu com minha YORKSHIRE MAITÊ na sala de espera de uma clínica veterinária, aguardando a realização de Ultra-sonografia, já que o parto se aproximava - na verdade cada PARTO é sempre preocupante para o criador idôneo, do mesmo modo que o nascimento dos filhotes com saúde, é motivo de alegria - quando passei os olhos pelo quadro-mural daquela sala de espera me detive no artigo "PRECE DE UM CÃO ABANDONADO".

Não preciso dizer que a preocupação em que me encontrava somada a tão profundo artigo fizeram com que as lágrimas rolassem pelo meu rosto.

Sem qualquer hesitação solicitei à atendente que me fornecesse um xerox daquela matéria, a qual passo a apresentar:

 
     

     

Prece de um cão abandonado

Sabe, Senhor, ainda não entendi, viemos à praça, pensei ser um bom passeio, estranhei, ele não tinha esse hábito, mas eu fui feliz!

Lá chegando, me deu as costas, entrou no carro e nem disse adeus. Olhei para os lados, nem sabia o que fazer. Ainda tentei segui-lo, quase fui atropelado.

Que teria feito eu de tão mau?

À noite quando ele chegava, abanava o rabo feliz, mesmo que ele nunca viesse ao quintal me ver.

Às vezes, eu latia, mas tinha estranhos no portão, não podia deixá-los entrar sem avisar meu dono.

Quem sabe foi minha dona que mandou, devia estar lhe dando trabalho.

Mas não as crianças, elas me adoravam. Como sinto saudades! Puxavam minha cauda, as vezes eu ficava uma fera, mas logo éramos amigos novamente. Creio que elas nem sabem. Deve ter dito que fugi!

Estou faminto, só bebo água suja, meus pelos caíram quase todos, nossa, como estou magro!

Sabe, Pai, aqui nesse canto que arrumei para passar a noite, faz muito frio, o chão está molhado.

Creio que hoje, vou me encontrar contigo, aí no céu, meu sofrimento vai terminar, mesmo em espírito vou ter permissão para ver as crianças.

Peço-vos, então, não mais por mim, mas pelos meus irmãozinhos!

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão, pois como eu, sozinhos não viverão mais do que alguns meses na “Terra dos homens”.

Amenize-lhes o frio, igual ao que agora sinto, com o calor de atos de pessoas abençoadas.

 

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Mata-lhes a sede, com água pura de seus ensinamentos transmitidos ao homem.

Elimine a dor das doenças, estirpando a ignorância da Terra.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos apregoados como religiosos, laboratoriais, matadouros e tudo mais, tirando das mãos humanas o gosto pelo sangue.

Ampare as cachorrinhas prenhas que verão suas crias morrerem de fome, frio e pestes sem nada poderem fazer.

Abrande a tristeza dos que ,como eu, foram abandonados, pois, entre todos os males o que mais doeu foi esse!

RECEBA, PAI, NESTA NOITE GÉLICA, A MINHA ALMA, POIS NÃO MAIS SERÁ MEU SOFRIMENTO , MAS DOS MEUS IRMÃOS QUE FICAREM E POR ELES QUE VOS SUPLICO!